quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Porque avaliar? Para que avaliar? O que avaliar? Como se avalia?

Não sei se choro pela queda... não sei se rio pela confrontalidade e realidade das coisas.

"Os inicios dos anos lectivos são sempre difíceis para o J. pois tem de fazer uma readaptação ao contexto escolar. Na área das interacções pessoais apresenta estabilidade, com excepção da relação com o colega E. Na presença do qual continua a manifestar comportamentos excessivos e de imitação. A receptividade às aprendizagens é irregular pois nem sempre se encontra disponível ou porque está com a atenção dispersa ou porque se encontra apático. Continua a denotar imensa dificuldade no pensamento abstracto principalmente ao nível dos cálculos matemáticos. O processo de aquisição da técnica de leitura/escrita está a ser lento… de referir que esta criança não beneficiou de adiamento da escolaridade obrigatória nem de retenção, notando-se um maior desfasamento ns suas competências ao ano de escolaridade."

Porque avaliar? Para que avaliar? O que avaliar? Como se avalia?

Entendo que a avaliação é fundamental para diagnosticar e descrever a criança de acordo com a idade e a sua evolução dentro das atividades e habilidades na sala de aula.

A peça fundamental neste processo é o professor. E é importante para nós pais, para termos uma noção do seu crescimento social, motor e individual. Esta avaliação vai permitir trabalhar com a criança de forma a aprimorar as habilidade que não estão tão bem dominadas.

Não é fácil avaliar, principalmente crianças com necessidades educacionais especiais. Acho que é nesta altura que os professores colocam à prova as suas capacidades, como ponte para o conhecimento. Mas temos que levar em conta uma questão – crianças com necessidades educacionais especiais têm as suas limitações e apenas devem ser avaliadas dentro das suas possibilidades! Não acompanham o mesmo ritmo da turma e por isso não devem ser comparadas, mas sim ter a sua avaliação diferenciada.

Não podemos esquecer que têm os mesmos direitos e existe um compromisso de as preparar da melhor forma possível para uma vida autónoma e com qualidade. Precisam de ser independentes e também preparados para o mercado de trabalho, mas tem de ser feito com cuidado, para não traçar objetivos muito elevados que podem levar à frustração.

Na nossa ultima consulta de desenvolvimento, saí a refletir todos estes pontos.

Gosto muito da expressão da Drª I.P – de desenvolvimento que diz:


- Tem dificuldades em matemática? Não sabe somar? Não consegue contar a tabuada em conjunto com a classe? – É para isso que existem as máquinas de calcular!

O mais importante é o que consegue aprender e valorizar a aquisição desse conhecimento. Avaliar as situações de aprendizagem que foram oferecidas e como elas foram aproveitadas. A partir daí planear outras atividades que enriqueçam e promover novas conquistas a partir do que foi aprendido.

Todo este trabalho tem de ser em conjunto com todos para que não sejam prejudicados no processo de aprendizagem. E só com este trabalho em conjunto será possível alcançar o sucesso na aprendizagem.

CONCLUSÃO:
Valorizar as conquistas!


5 comentários:

Su' disse...

Boa noite.

O meu nome é Susana Abreu e sou Técnica Superior de Reabilitação Psicomotora. No meu 3º ano de licenciatura, durante o estágio curricular, estagiei na APPDA-Lisboa. E, através desta instituição, realizei sessões de Psicomotricidade na Escola D. Pedro V. E foi lá que conheci o João e que, durante alguns meses, intervi com ele :) Foi por acaso que encontrei este blog e não resisti em deixar um beijinho para ele. Gosto de ver que está a crescer bem e de saber das suas conquistas. Já agora, parabéns pelos seus blogs. Para mim, que sou Psicomotricista, possui actividades bastante úteis!

Um beijinho,
Susana.

trabalhodecasa disse...

queria deixar uma mensagem de feliz Ano Novo e a esperança de que as coisas melhorem. Beijinhos.

Mamã Sofia disse...

Muito obrigada Su.

Mamã Sofia disse...

Muito obrigada 'trabalhosdecasa'!

Sofia disse...

Mamã Sofia,
este meu comentário vem depois de ter passado a manhã a ler com atenção os seus blogs (sim, todos). Quero dar-lhe os meus mais sinceros parabéns, pela sua coragem, determinação e dedicação. Sou psicóloga, trabalho com crianças com as mais diferentes "problemáticas" e digo-lhe uma coisa: quem me dera que todos os pais fossem assim dedicados! As suas actividades são mesmo muito interessantes e, sem dúvida, úteis (vou fazer o download!). Mesmo que pareça irrelevante para outras pessoas, mesmo que os progressos demorem a surgir, mesmo com todas as frustrações inerentes, sabemos bem que todas as pequenas conquistas são uma vitória.
Por favor continue este excelente trabalho. Muita força e coragem,

Sofia