segunda-feira, 23 de maio de 2011

Visão Monocular

O J. foi a mais uma consulta de avaliação oftalmológica. De 6 em 6 meses é mais uma das nossas rotinas! Mais uma vez foi-me explicado que, efectivamente, os progressos do J. têm sido muito bons.
Mas a cirurgia apenas está a ajudar o J. no desvio do estrabismo. A sua avaliação de
visão monocular é definitiva e para sempre. Deixa-me apreensiva, pois não é meramente não ter ver a 3ª dimensão. É um pouco mais complexo que isso. Muito resumidamente é dizer que vê com um olho de cada vez, ao contrário da maioria das pessoas que tem uma visão binocular.
Ter uma visão monocular é normalmente perder a visão binocular e existir uma redução do campo de visão periférico.
Pode-se dizer que com uma visão monocular vê pior, isto porque vê somente com um olho (ora com um, ora com outro - no caso do J.). Com a visão binocular vê com os dois olhos ao mesmo tempo.
Associado à visão monocular poderá estar o 'olho preguiçoso' - pela acomodação (um olho passa a focar mais que o outro).
Claro que tudo isto tem as suas consequências: dificulta o controle de movimentação, distância e equilíbrio – aqui criam-se os primeiros obstáculos – ir de encontro com objectos e as pessoas, dificuldade em subir e descer escadas; dificulta em muitas actividades da vida diária que requerem a estereopsia e a visão periférica! - Existe uma dificuldade na percepção de profundidade.
Por isso é importante a prevenção e a detecção do problema o mais cedo possível.
Sei que existem profissões que o J. jamais poderá exercer – cirurgião, arquitecto, pilotos, controlador aéreo…
O J. ainda é pequeno e por isso ainda não se apercebeu das suas 'incapacidades' - fica somente frustrado quando não consegue algo… com o tempo poderá vir a 'mexer' com a sua auto estima.
É definitivamente um problema! E aqui entra a minha preocupação, que com tantas limitações e necessidades de prevenção, possam existir tantas pessoas em lista de espera para uma cirurgia, que pode mudar a vida de uma pessoa.
O J. conseguiu porque tem um seguro de saúde… caso contrário ainda estaria em lista de espera e a sua redução de visão neste momento poderia ser total!
A possibilidade de o J. vir a deixar de usar óculos é mínima! Existe a necessidade de proteger os seus olhos. Neste momento parou de perder visão! E porquê? - porque foi detectado a tempo e feita a prevenção precocemente!
Não estamos perante um problema meramente estético!

5 comentários:

ClaudiaMG disse...

Olá mamã Sofia, nem mesmo a calhar este seu Post.
Neste momento debato-me com uma situação idêntica com o Guilherme. Desde sempre que ele é acompanhado pela Neuro-oftalmologia, aos 2 anos diagnosticaram-lhe Hipermetropia e estrabismo acomodativo, estrabismo esse sempre corrigido até ao ano passado que mesmo com correcção óptica teimou em persistir. Nessa mesma altura foi-lhe detectado astigmastismo e consequentemente troca de lentes. Este ano em Janeiro a situação piorou de tal forma que a médica da neuro encaminhou para a especialidade de estrabismo em Santa Maria. Ficámos a aguardar, mas como a visão é uma das coisas mais importantes, tive um contacto de uma médica do Gama Pinto e lá fomos nós. O diagnóstico foi estrabismo e o tratamento a toxina botulimica. Fizemos a toxina em Abril e na semana passada fomos à consulta de recisão e qual não foi o nosso espanto quando a médica nos disse que o Guilherme não vê quase nada do olho direito, situação essa nova para nós. Como ainda estamos em período de efeito de toxina, não pudemos mudar as lentes porque ainda não se percebeu se a toxina melhorou o estrabismo, pelo que o tratamento neste momento é fazer a oclusão quer de um olho, quer de outro durante 2 meses.
Isto tudo para lhe dizer que de um momento para o outro estamos com uma situação inesperada e que preocupou a médica e nós pelo facto de num curto espaço de tempo ele estar a perder a visão do olho direito. Nesse sentido solicitava-lhe mais informações, até de médicos que tenha consultado, no sentido de perceber o que se está a passar.
Aproveito ainda para dozer que tudo o que disse acerca das dificuldades do dia-a-dia são as mesmas sentidas cá em casa.

Obrigada desde já e desculpe o enorme testamento.

Beijinhos
Cláudia

Grilinha disse...

De facto não...
E felizmente que conseguiram detectar a tempo e parar o processo, pois a visão é algo precioso. E muito complexo.
beijinhos

R disse...

Seu filho ? Pq ele tem a visão monocular ?
Quantos anos ele tem ?
Muito interessante o blog, tb sou monocular e tem essa rotina de 6 em 6 meses !

Bruno Rodrigues disse...

Bom dia,tenho visão monocular desde os três anos de idade. Hoje tenho 23. Gostaria de dizer a Mama Sofia que ter visão monocular não afeta muito a vida. Atualmente estou me formando em um curso tecnológico, já pratiquei esportes e não tenho muitos problemas para me locomover. Só uso óculos porque a visão do meu olho sadio não é perfeita.

d disse...

Olá, tenho um filho de 2 anos com a visão monocular. Para os pais é um choque muito grande saber de uma coisa destas! Fico feliz por ver o testemunho do Bruno Rodrigues, mas ao mesmo tempo muito triste pelo meu Francisco sofrer do mesmo... Espero que ele supere todos os obstáculos e dificuldades na sua vida, mas nesta idade saber que se tem um problema permanente dói muito para um pai e uma mãe. Hoje soube que apenas 5% das crianças em Portugal sofrem de visão monocular à nascença, que é o caso do Francisco e de mais alguns. Para todos esses desejo muita força e felicidade, darei todo o meu apoio ao meu filho. Fico na esperança da tecnologia evoluir no sentido de melhorar a vida destas pessoas.